Covid-19 mata mais de um jornalista por dia na América Latina

Região é onde a doença é mais letal

Peru lidera o ranking de mortos

Brasil ocupa o 2º lugar

A covid-19 mata mais de um jornalista por dia na América Latina, de acordo com uma pesquisa feita pela ONG Suíça Press Emblem Campaign (PEC). Desde 16 de março de 2020, 908 jornalistas morreram em decorrência da doença, em todo o mundo. Desses, 505 pertenciam aos 18 países da América Latina. Ou seja, 55% do total de óbitos pertencem a região.

Só nas últimas duas semanas foram 21 mortes, a média diária é de 1,44 óbitos. O monitoramento dos casos é feito com base nas informações publicadas pela imprensa, buscas na internet, organizações nacionais de jornalistas e levantamentos feitos por sindicatos. Ou seja, os números podem estar defasados.

Entre os países que lideram o ranking de mortes estão Peru, com 135, Brasil, com 113 e México com 89. Equador, com 42. e Colômbia, com 38, fazem parte do top 10 global. A primeira morte de um jornalista registrada na América Latina foi em 28 de março de 2020. O editor-chefe do jornal brasileiro Monitor Mercantil, Lauro Freitas Filho, morreu aos 61 anos, ele trabalhava no jornal desde 1988.

No Brasil o jornalismo está entre os serviços considerados essenciais. Muitas redações conseguiram adaptar suas atividades para o trabalho remoto, mas ainda assim muitas das funções do jornalismo só podem ser realizadas presencialmente. Em janeiro, a Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas) publicou um dossiê detalhando as mortes de jornalistas pela covid-19 no país. Os dados indicaram um aumento do número de casos recentemente.

 

 

Apenas em janeiro de 2021, 25% das mortes de jornalistas no mundo aconteceram no Brasil. Apesar de não ter sido atualizado ainda, pressupõe-se que em março, com o agravamento da crise sanitária no Brasil, os números tendem a piorar. Ainda segundo o levantamento da Fenaj, jornalistas com mais de 50 anos formam mais da metade das vítimas. Mas também existem casos de jovens de menos de 30 anos, como Letícia Fava, 28, e Janael Labes, 24.

No Peru, a ANP (Associação Nacional de Jornalistas do Peru) solicitou ao Ministério da Saúde que jornalistas sejam incluídos no grupo prioritário de vacinação, com o argumento de que a categoria é o único serviço essencial com alta taxa de mortalidade que não foi considerado prioridade no plano de vacinas.

Em fevereiro, no Brasil, a Fenaj fez movimento parecido pedindo ao governo que desenvolva um plano de vacinação universal que considere os jornalistas como trabalhadores essenciais da linha de frente durante a pandemia, assim garantem o direito de receber a vacina. A solicitação não teve retorno.

Um artigo do Nieman Lab publicado em julho de 2020, mostrou que o risco também é psíquico. Dados preliminares apontam que cerca de 70% dos profissionais entrevistados pelo Instituto Reuters disseram estar sofrendo distúrbios psicológicos devido a cobertura da pandemia.

Enquanto isso, a Press Emblem Campaign iniciou um trabalho de conscientização da alta exposição dos profissionais ao vírus, para homenagear os jornalistas mortos no mundo e para chamar a atenção pela função social da categoria no combate a pandemia.

Fonte:360